Nos filmes da sequencia “Jurassic Park” o grande perigo que ameaçava à todos eram os Dinossauros (e o risco de fuga). É um perigo com potencial catastrófico, convenhamos. Obviamente nos filmes isto sempre acabava por acontecer (sem Dinos, sem filme!). Mas o risco de isto acontecer, segundo o proprietário do parque era muito baixo: “Temos um sistema de segurança infalível!”, dizia ele. Pois bem, por que o perigo materializou-se então?

Perigo ou risco?

Este é o primeiro ponto que precisamos tirar como lição destes filmes: a diferença entre Perigo e Risco! Entendendo esta questão inicial, você conseguirá enxergar com clareza os 4 passos necessários para gerir os riscos no seu negócio. Perigo é uma condição que pode causar impactos, positivos ou negativos. No nosso exemplo: Dinossauros. No seu negócio? Falta de dinheiro na tesouraria para cumprir as obrigações, por exemplo.

Risco é a probabilidade de o Perigo acontecer. Ou seja:

– Qual o risco de os Dinossauros escaparem? (Alguém disse ser baixa…)

– Qual o risco de não ter o dinheiro necessário para pagamento de obrigações no meio do mês?

Aqui a análise deve ser feita dentro das condições presentes no momento. E por isto é tão importante que o processo de identificação de perigos e análise de riscos aconteça periodicamente ou sempre que as condições alterem-se de maneira significativa.

Os 4 passos

Isto traz-nos o primeiro passo do método:

  • Passo 1: Identificar os perigos e riscos e elaborar uma lista com eles.

Os próximos dois passos são uma consequência de uma boa lista de riscos e irão exigir um exercício de extrapolar, imaginar e realizar uma boa leitura de tudo o que está envolvido:

  • Passo 2: Mensurar a probabilidade do risco ocorrer, dentro das circunstancias analisadas

– Qual a probabilidade dos dinossauros escaparem CONSIDERANDO as medidas de segurança serem fáceis de serem burladas por um funcionário com poder para tal?

– Qual a probabilidade de não ter dinheiro ao meio do mês considerando que a tesouraria da empresa está prejudicada, opera próximo do zero e não há uma reserva?

  • Passo 3: Identificar o impacto da ocorrência do risco, considerando que venha a acontecer:

– Qual o impacto de ter Dinossauros ferozes à solta em um parque selvagem em uma ilha isolada?

– Qual o impacto de não fazer os pagamentos ao meio do mês por não ter dinheiro?

  • Passo 4: Riscos identificados, com probabilidade e impactos mensurados, é hora de agir para prevenir que os mesmos ocorram ou tentar diminuir o impacto caso venham a ocorrer!

Esta é uma estratégia simplificada da Gestão de Riscos, mas fundamental em todo e qualquer processo de planejamento.

 

Possui uma empresa e precisa de apoio nos desafios de gestão, redução de custos ou otimização? Entre em contato conosco e veja como podemos ajuda-lo! Clique aqui e saiba mais.

One Comment

Leave a Reply

Share via
Copy link
Powered by Social Snap